Now Playing - Games


Tópico em 'Jogos & Consoles' criado por martec em 08/04/2014, 08:38.
Páginas (20): « Anterior 1 ... 15 16 17 18 19 20 Próximo »
Avaliação do Tópico:
  • 0 Votos - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0 votos
288 respostas neste tópico
 #241
Dica pros Fumaceiros:

http://store.steampowered.com/sale/makewarnotlove3/

Esses jogos tão de graça ai por algum motivo. Em dilmas eles dariam 53 reais, mas saem de grátis.
Responder
 #242
Amanhã sai a expansão nova de Path of Exile, e começa também nova League. Devo começar personagem nova na League HC.



Mas, mais importante...

Factorio é absurdamente sensacional. Muito bom esse jogo.
Responder
 #243
Agora nas férias eu tinha voltado a jogar o devil survivor 1 e Disgaea (tinha esquecido como esses jogo são difíceis mas a história vale a pena).
Tinha parado na parte do devil survivor que o "judge" morre e estava tentando salvar ele, mas entendi errado o que tinha que fazer no guia e vou ter que recomeçar o dia no jogo pela terceira vez pra salvar ele. Ler esse post do Esteves me deu vontade de jogar apesar de eu ter me spoilaido de todos os finais...
-------
Comprei um 3ds japonês e comecei a jogar Pokémon X JP, se alguém quiser adicionar o friend code:0963-3512-6987
Responder
 #244
Passando para recomendar o melhor joguinho que tenho na Steam: Battleblock Theater.
Jogo desde 2014, mas só recente decidi jogá-lo mais a sério.
Já comento que a narração é ótima, a jogabilidade é maneiríssima e o visual é batuta. Pontos importantes mas que não me importo em detalhar.
O modo co-op é divertidíssimo, ótimo para chorar de rir com as peças que os mapas pregam.
Ele pode ser considerado fácil se estiveres jogando casualmente, mas, caso queiras te desafiar para conquistar bons resultados nos mapas(A++) ou jogar no modo infernal... Prepare-se para passar por muitos perrengues e querer jogar teu computador longe diversas vezes. Facepalm
Ou seja, é altamente recomendado para masoquistas. É um jogo ruim de tão dolorosamente bom. =)
Responder
 #245
Comprei Grim Dawn já que ando em ritmo de ARPG ultimamente (graças ao Path of Exile que tá excelente também).

Me parece ótimo, lembrou bastante Titan's Quest em vários aspectos pelo que vi até agora.

Fora isso, comprei Power Grid e 7 Wonders: Leaders.
Joguei Blood Rage hoje. Muito bom, tá entre os melhores que já joguei.
Quem for jogar no Founder's Server do Tree of Savior, parece que abre nessa madrugada.

Devo criar personagem no servidor Orsha.
Responder
 #246
Animais Crusando - Cidade Folha Nova

[Imagem: pC60mjY.png]

Apesar de não poder declarar ser um grande fã da série eu joguei casualmente as versões de Wii e DS comum no passado e fui convencido o suficiente para dar uma chance para a de 3DS.

Um dos maiores atrativos da nova versão é quanto aos avanços em conectabilidade e compartilhamento de conteúdo. A capacidade de edição de objetos, criação de texturas e roupas que podem ser compartilhadas na internet por QR Code foi a melhor coisa que já fizeram. Tu pode criar quartos temáticos de todo tipo de coisa e mobiliar sua casa da maneira que preferir. Além de poder fazer cosplay de Jotaro com os QR Code de roupa de JoJo.

Além disso deram um jeito de você poder visitar a cidade dos outros mesmo quando eles não estão online o que é bem útil e possibilita compartilhar sua cidade na internet sem que vândalos espalhem TNT pelo mapa cofcofarrobazackfair cofcof. Agora convenhamos que só é divertido de verdade quando é ao vivo e ambas as pessoas estão online ao mesmo tempo. O que fica um pouco inviável visto que você só pode se conectar com amigos. E gente como eu que não tem amigos que tem o jogo acaba sendo prejudicado. Eu entendo que está longe do que eu posso esperar da Nintendo eles criarem um sistema que te permite conhecer e conversar com estranhos mas né. Pelo menos só libera fala pra amigos e deixa as pessoas se comunicarem por mensagens pre definidas ou sei lá.

Agora a minha maior critica negativa é quanto ao tempo que se leva pra liberar as coisas divertidas. Nos outros animais cruzando a cidade grande até tinha umas coisas fechadas que abriam com o tempo mas a quantidade de lojas disponíveis no começo era bem maior. Agora com vc sendo o prefeito e sendo parte da historia tu ter que chamar essas lojas pra vir pra sua cidade levou muuuito tempo pra eu ter acesso as coisas que eu queria. O próprio leitor de QR Code só libera depois de uma semana dando cantadas na mina porco espinho.

A época que eu comecei a jogar eu estava acordando tarde e dormindo tarde. E o jogo desde sua segunda versão tem o interesse de reproduzir as ações da cidade baseado na hora. Consequentemente não tinha nada pra fazer durante o período que eu fico acordado pq todo mundo tava dormindo e as lojas fechadas. Depois de mais tempo do que deveria a melhor garota me deixou criar uma lei onde eu obrigo as pessoas a ficarem acordadas até mais tarde e andar fora de casa. Tipo um toque de recolher ao contrario. Mas ainda assim eles só ficavam até 00h pq a Nintendo deve considerar que não pode ter um jogo que incentiva crianças a ficar acordadas ate tarde. Só depois me veio a ideia de mudar a hora do relógio interno pra ficar de dia de noite e de noite de dia mas ai perde um pouco a graça.

Mas esqueçamos essa avaliação de coisas ruins do jogo. Eu ouvi alguém falar melhor garota? Olha pra essa cachorra
Spoiler:  
[Imagem: 7NE9gl9.png]
Olha pra essa fodendo cachorra e me diz como não adorá-la. Na moral. Eu aproveitei a liberdade de personalização e fiz um quarto temático dela pq sim.

Conclusão: O jogo demorou muito pra disponibilizar as coisas legais e quando elas ficam disponíveis tu já passou 2 meses jogando e não tem tanta paciência pra aproveitar. Entretanto se tivesse alguém pra jogar comigo cofcofBestcofcof o gayme poderia ser aproveitado melhor.

Fiquem com mais best girl pra terminar

Spoiler: Best Girl Mahou Shoujo  
[Imagem: aEa5cd2.png]
Spoiler: Best Girl num Date A Live  
[Imagem: 9b3wZWL.png]
Spoiler: Best Girl Oppai Mouse Pad 18+ -não pera  
[Imagem: pxdc4ga.png]
Responder
 #247
Tenho jogado, na medida do possível:

Civilization IV: Colonization: com The Authentic Colonization Mod que é excelente.
Crusader Kings II: jogando com o Petty Kingdom of Mercia, tentando formar Britannia.
Path of Exile: minha Witch Summoner morreu nas traps do labirinto, agora estou com um Duelist de Frost Blades, bem divertido.
Grim Dawn: minha personagem morreu esses dias e preciso começar outra ainda.
Children of the Nile: fica choppy em computadores atuais, mas o jogo em si é bem bom.
Spice Road: comprei hoje, estou gostando.
Tree of Savior: jogando com uma Krivis (que será Sadhu e Druid).

On Hold:

Europa Universalis IV
Crookz - The Big Heist
Rome II: Total War
Stardew Valley
Factorio
War Thunder

Aguardando:

Stellaris
Hearts of Iron IV
Responder
 #248
Nesse tempo que eu fiquei away do fórum joguei bastante joguinhos. Vou fazer uma lista deles e depois comentar cada um, leia quem quiser...

Akiba's Trip, D4 Dark Dreams Don't Die, Danganronpa Trigger Happy Havoc, Firewatch, Hyperdimension Neptunia, Metro 2033, Metro Last Light, Pony Island, The Talos Principle, Todos os O BRUXEIRO, Spec Ops The Line.

Akiba's Trip

Spoiler:  
Eu estava esperando bastante tempo para esse jogo sair no PC, cheguei até mandar vários tweets para a XSEED que deixou os gringos bem irritados. O fato do jogo ser um desça a porrada em todo mundo até tirar as suas roupas é um conceito divertidíssimo, o ruim é que ele fica muito repetitivo conforme o jogo prossegue e sem adicionar nenhuma mecânica nova piora. A história também não ajuda sendo beeeeeeem simples e não tem uma rota para a Kati, fiquei bem desapontado em saber disso.

Resultado final: Divertido, mas só compre se estiver em sale FALÔ.

D4 Dark Dreams Don't Die

Spoiler:  
O que eu mais gosto em jogos é a história. O gameplay pode ser uma merda, mas se a história for foda é compra na certa. A maioria dos jogos que joguei nesses meses foi mais focado na história e o Dank Dreams tem uma que é fantástica. Ele segue aos moldes de Heavy Rain, com o mesmo tipo de gameplay e uma história de mistério só que com humor. É difícil falar desse jogo sem dar spoiler dele, mas tudo nele é incrível, os diálogos, as cenas de QTE, as side quests. TUDO. Foi o jogo que me deixou com um vazio quando ele acabou, bem, ele não acabou por inteiro, ainda falta lançar a segunda parte para finalizar a história. Infelizmente o Swery ele está doente e não está capacitado de trabalhar no jogo ainda. Mas quero muito que saia a parte final dessa história!

Danganronpa Trigger Happy Havoc

Spoiler:  
Já fiz um post aqui quando eu joguei a versão de PSP. Aqui.

Firewatch

Spoiler:  
Outro jogo de história e com mistério. Ele se parece bastante com Gone Home, um jogo que é bom, mas não puxou muita a minha atenção. Os visuais e os diálogos desse jogo é incrível. Já a história... No começo ela consegue te segurar em um mistério que aparentemente parece que vai levar em algum lugar, MAS NÃO LEVA. O final do jogo foi uma das coisas mais frustrantes que eu passei nesse ano. Não sobreviveu ao hype. Vale a pena jogar? Não sei dizer, tem gente que gostou, tem gente que não gostou. Eu estou no meio termo, se eu tivesse parado no meio do jogo e desinstalasse ele seria 10/10, mas como eu terminei ele e vi o "quadro por inteiro" acho que 7/10 é muito para ele.

Hyperdimension Neptunia

Spoiler:  
Não tem muito o que falar sobre esse JRPG. Bastante humor de referencia aos mundo dos jogos. História mediana. Gameplay mediano. Divertidinho até. Só vale pelo PLOT.

Metro 2033 e Metro Last Light

Spoiler:  
Fico triste em saber que poucas pessoas jogaram esses dois jogos. De faixada eles parecem ser FPS convencionais, mas não são. Mais uma vez, é outro jogo com uma história FANTARBULASTICA (como a maioria dos jogos que joguei). Eu gosto bastante de histórias pós apocalípticas como o próprio Fallout. O jogo não tem o mundo aberto de Fallout, mas os dois Metro consegue ser melhor que ele. Os lugares claustrofóbicos no metro, a ambientação, tudo, da uma riqueza ao mundo que você se sente lá. Ele tem alguns sistemas de Survivor Horror, como, saber usar suas balas, evitar conflitos, etc. Sim, ele dá alguns sustinhos as vezes, se a história do jogo não fosse boa eu já teria dropado por causa dos susto.

Enfim, recomendo jogar. Ele tem vários finais com questões filosóficas muito boas. Os temas que esse jogo aborda são inspirações para mim.

Pony Island

Spoiler:  
Um joguinho que o @Best me deu. Já tinha ouvido falar desse jooj, estavam comparando ele bastante com Undertale... Como ele quebra a 4ª barreira etc. Fui ver qualé dele, mesmo sendo muito curto, acho que umas 4 horinhas, ele consegue te segurar e contar uma história simples e ao mesmo tempo complexa. Não chega aos pés do Undertale, mas é bem próximo dele. Não vou falar as quebras de 4ª barreira, porque teve uma que o jogo me enganou direitinho, fiquei puto com ele depois.

The Talos Principle

Spoiler:  
Agora sobre The Talos Principle. Confesso que fiquei meio com o pé atrás com esse jogo porque a desenvolvedora dele só fez Serious Sam, que é um jogo merda. Felizmente eu estava errado, porque é outro jogo bom. A verdade é que eu só jogo jogos bons, abraços. Continuando... Acho que seria justo comparar ele com Portal 2, um jogo de puzzles com uma história foda. Só isso para falar. Um ponto negativo? Ele causa enjoo de movimento PARA CARALHO. Mesmo com a opção para diminuir o enjoo eu só conseguia jogar 30min por dia.

O BRUXEIRO 1, 2 e 3

Spoiler:  
De novo meu preconceito me deu uma voadora de volta. Estava pensando muito em começar do segundo porque o primeiro, é feio para caralho. Mesmo assim decidi dar uma chance, pelo menos umas 3 horas de jogo para a primeira vila, que tem um arco de história incrível. Só aquela parte o jogo me ganhou, o combate é uma merda, do primeiro, mas o resto tudo é foda. E não tem nem o que falar dos outros né? Só achei o segundo mais curto, porém isso não deixa ele pior. O terceiro é o melhor de todos, ele conseguiu melhorar tudo, não é a toa que é o jogo com mais prêmios até a postagem disso. JOGUEM!

Spec Ops The Line

Spoiler:  
Se você leu tudo o que eu escrevi até agora (o que eu duvido muito) já deve estar cansado de falar de jogos com história. Mas esse é o ultimo (eu acho) que eu vou comentar que tem história. Ele é um TPS simples, mas, de novo, tem uma história facinante (está acabando os adjetivos) infelizmente eu não aproveitei a experiência inteira porque me spoilaram o final do jogo (a mesma pessoa que me spoilou o final do Undertale). Só que esse jogo, acho que se você assistir ele no youtube só com as cutscenes, vale mais. Menos uma parte que ela é essencial para a história e você precisa estar jogando para sentir o que o personagem está sentindo.

Agora jogos que pretendo jogar ou preciso terminar de jogar:

Dark Souls 3, Danganronpa 2, Valkyria Chronicles, Resident Evil, Kingdom Hearts, Guacamelee!, Neptunia ReBirth 2 E SÓ.

Se você leu tudo, VOCÊ É O VERDADEIRO MVP!!!!!!!!! E desculpe por escrever muitas palavras repetidas e adjetivos repetidos, realmente estou sem criatividade.
Responder
 #249
Tales of Legendia

Zerei no último fim de semana, definitivamente não é o melhor jogo da franquia mas não consigo considerar o pior também

Spoiler:  
A história do jogo é basicamente na primeira metade, um irmão chegando nuam espécie de navio-ilha chamado Legacy (que é o "continente" onde a história se passa) tentando salvar a irmã que é raptada inúmeras vezes, primeiro por um bandido, depois por um sujeito desconhecido, depois pelo príncipe de um império do mal, um tal de Vaclav, e depois pelo chefe da vila onde eles moravam antes de começarem a ser perseguidos que quer transformá-la no oráculo do vilão do jogo, e por fim é possuída pelo vilão do jogo, Nerifes, até eles derrotarem ele. Daí a segunda metade do jogo é os personagens da primeira metade junto com a Shirley tendo que investigar alguns fenômenos estranhos como terremotos e monstros ficando mais fortes sem explicação enquanto se focam em seus objetivos e dramas pessoais e são manipulados sem saber por uma figura das trevas no background, que mais tarde revelam ser uma vilã chamada Schwartz que queria destruir mundo pra livrar as pessoas do sofrimento e da tristeza (bem parecido com o plano da Shizel de Eternia, mas agora ela tava fazendo porque queria mesmo, não porque um demônio possuiu ela).

Daí como de costume no meio tempo ele vai conhecendo outros personagens carismáticos, como Will, um professor universitário cuja esposa morreu e que a filha depois aparece procurando ele e brigando muito por ele tê-la abandonado, Chloe, uma espadachim que teve a família morta por um subordinado do Vaclav quando era criança e por isso resolveu ser independente e saiu em uma jornada para vingá-la, Norma, uma caçadora de tesouros que segue os passos do mestre dela, que morreu tentando encontrar um tesouro lendário chamado Everlight e que vive sendo a palhaça do grupo (e que por sinal, é a healer mais carismática que já vi), Moses, um bandido meio idiota que rapta a Shirley no começo do jogo mas depois ajuda o Senel por descobrir que ela era irmã dele e dar uma grande importância pra "família", Jay, um cara sobre o qual não se sabe muita coisa na maior parte do jogo exceto que tem uma forte relação com uns bichinhos que parecem toupeiras chamados Oresoren, mas que mais tarde descobrem ter tido um trauma na infância devido ao pai adotivo que abusava dele, até escapar e ser criado por esses bichos; e Grune, uma mulher que fica literalmente até o último capítulo do jogo com amnésia e sendo de longe a personagem mais panguá do jogo, até que lembra que é uma deusa e tem enfrentar a Schwartz, que é a segunda metade dela, pra proteger a humanidade. Todos esses personagens são desenvolvidos ao máximo na segunda parte do jogo, que se foca em seus objetivos pessoais e em seus passados nas chamadas "Character Quests", o que eu considerei uma ótima jogada, ainda mais que as histórias de Tales of em grande parte não tem enredos superelaborados e se focam basicamente nos seus personagens e interações.

Enfim, o jogo tem alguns problemas com três coisas:

1) Balanceamento de dificuldade: mesmo no Hard tinha bosses que era basicamente prender num canto da tela e sair combando com Senel + Chloe e talvez Jay enquanto outro sujeito usava magia pra vencer facilmente. O fato do Senel ter técnicas que pegavam um inimigo caído no chão e infligiam um golpe final neles que dava uma quantidade considerável de dano também facilita muito. Por outro lado, há bosses extremamente difíceis nas horas mais aleatórias possíveis, tipo o Stingle que é mais difícil que o Vaclav, o superior dele. Não faz lá muito sentido.
2) Animações: algumas foram bem nerfadas em relação aos outros jogos, tipo Tidal Wave e Indignation.
3) Repetição de inimigos: Legendia tem uma variedade de inimigos menor que o que costumo ver na série e é cheio de recolors mais fortes de inimigos anteriores. Não que outros jogos não tenham feito o mesmo mas aqui definitivamente ocorreu mais.

Porém, o enredo é um dos mais bem elaborados que já vi na série (excluindo o fato da Shirley ser raptada umas cinco vezes seguidas, mas ao menos ela não causa milagres com tropeços que nem a Colette e ainda é bem útil na segunda parte do jogo), os personagens são muito bem desenvolvidos (a maioria tem um capítulo do jogo só pra eles na segunda metade, as "Character Quests", que eu achei uma ideia genial e que deu muito mais profundidade pros personagens que de costume - em especial para o Will e para o Jay), a OST é uma obra-prima (por mais que Sakuraba seja ótimo, não sei como Go Shiina não foi chamado para trabalhar em mais jogos da série, ficando restrito à Legendia, Radiant Mythology e Zestiria no geral)...  Então acho que dá pra considerar o jogo pelo menos mediano em termos técnicos. Tem falhas que não dá pra ignorar mas tem coisas em que se sobressai também.

Pessoalmente, eu gostei bastante dele, acho que ficaria entre os 5 que mais gostei da franquia, apesar de ter entendido porque ele é bastante criticado (porém ainda acho meio exagerado).

Danganronpa: Trigger Happy Havoc

Na verdade estive rejogando pra relembrar detalhes, o jogo mesmo já tinha zerado faz tempo, mas zerei novamente.

Bem, só joguei o Story Mode mesmo, o School Mode vou deixar mais pra frente. Como eu já sabia a história, não teve nenhuma surpresa por assim dizer mas deu pra analisar melhor a execução dela, que é até melhor do que eu lembrava. Monokuma também era mais sacana do que eu lembrava quando joguei a versão de PSP, o cara faz as piadas mais inadequadas nas piores horas possíveis, tipo piadinhas com conotação sexual quando o Naegi tá dando suporte emocional pra Sayaka e falar que o purificador de ar é uma máquina do tempo pra um cara que acabou de se traumatizar pelo que o amigo fez e que faria de tudo pra evitar aquilo se pudesse, aheauehae. A forma como os mistérios vão sendo reveladas e os twists que ocorrem também são geniais, as provas não te dão todas as respostas facilmente e você tem que exercer um pouco de raciocínio pra seguir em frente, além de ser ágil na hora de pensar.

Enfim, não vou me prolongar muito já que é um replay basicamente.

Danganronpa 2: Goodbye Despair

Esse eu só joguei o primeiro capítulo até agora, e está até melhor que o primeiro ao meu ver.

Gostei no novo sistema de level que colocaram, deu um motivo pra atualmente se locomover pelos locais e "explorar" ao invés de ficar teleportando de um lado pro outro conforme necessário.

E talvez tenha sido impressão minha por ter rejogado o primeiro jogo logo antes mas o primeiro class trial parece ter sido mais longo que a média do primeiro jogo e também mais difícil e imprevisível no geral (lembrando que em ambos deixei a dificuldade no Mean). Espero que continue nesse nível.

Spoiler:  
Also, Komaeda é um filho da puta e queria que ele tivesse morrido no lugar do Togami. O cara era antipático pra caramba no primeiro jogo, apesar de ser bem carismático, e logo agora que ele melhora um pouco em personalidade morre por causa do esquema do Komaeda e pela burrice do Teruteru, que no fim das contas morre também.
Responder
 #250
Danganronpa 2: Goodbye Despair

Terminei há alguns dias já, mas só agora tirei tempo pra escrever. E rapaz, foi até melhor do que eu pensava que iria ser.

Spoiler:  
Nunca que eu imaginaria que o cast todo de personagens seriam membros da Ultimate Despair passando uma terapia via realidade virtual pra se curarem justamente de sua condição "desesperadora" e que na verdade não era nem pro Monokuma estar ali e que tudo só ocorreu porque a Junko deu um jeito de se meter como uma inteligência artificial ali dentro e sabotar tudo pra tentar se ressuscitar no corpo dos mortos. Pra ver como essa psicopata é tão maluca que causa merda até depois da própria morte. Ao menos se ferrou de vez no fim (eu acho).

Bem, os class trials no geral foram mais legais e difíceis que os do primeiro jogo ao meu ver, os personagens no geral também. Os que mais gostei foram definitivamente a Ibuki por causa da personalidade elétrica e animada dela, Nekomaru por causa da personalidade exagerada e a história de superação na rota dele e Gundham por causa das palhaçadas vindas de RPG dele. Pena que os dois primeiros morreram como vítimas de crime e o terceiro cometeu um, então tive que dar adeus pra eles antes do fim da história. Teruteru é um que parecia ser legal também mas morreu cedo demais. O Komaeda também é um personagem interessante por ter uma visão de mundo pra lá de distorcida e por causa dos esquemas mas muito fdp pra eu gostar de verdade.

O falso Byakuya aka Ultimate Imposter eu achei até melhor em personalidade que o Byakuya original mas também morreu cedo demais. Chiaki é uma personagem que eu achava whatever no começo mas eventualmente me conquistou, acabou que achei bem triste ela ter "morrido" junto com a Usami. Sonia, Kazuichi e Akane são OKs, não são personagens tão especiais mas tem seus momentos. Peko é uma personagem que poderia ter gostado mais se tivesse sido mais independente ao invés de ficar sendo "protetora" do Fuyuhiko (e justamente se não tivesse morrido apenas pra protegê-lo/vingar a morte da irmã).

O Fuyuhiko por si é bem irritante até o fim do Chapter 2, depois que quase morre e perde a visão de um olho ele vira gente e melhora consideravelmente. Mas acho que a que menos gostei mesmo foi a Mikan já que ela era basicamente resumida em 50% fanservice, 49% cuidar de alguém machucado, e 1% ficar doidona no terceiro class trial e morrer por ter matado a Hiyoko e a Ibuki. Também não fui muito com a cara da Hiyoko, mas isso não é novidade, não costumo gostar muito de personagens do arquétipo dela, ainda mais com essa falsidade tosca. Por fim, Mahiru é a personagem mais sem graça do jogo.

Por sinal, as execuções foram em grande parte bem boladas também, só achei a da Mikan e a da Junko meio sem sal, mas o resto foi bem criativa. A do Gundham até agora é a execução que mais gostei na série.

E eu odeio aquele escape game do Chapter 4 e vou matalo.

De qualquer forma, agora que eu completei os dois Danganronpa, acho que já dá pra assistir o anime que vai ter na próxima temporada. E espero que lancem o Another Episode e o V3 na Steam no futuro porque eu não tô com muita vontade de comprar um Vita no momento não.
Responder
 #251
Estive jogando Ace Attorney Trilogy e acabei de zerar o Trials and Tribulations hoje, então vou falar o que achei de cada jogo.

Phoenix Wright: Ace Attorney

Pra um primeiro jogo da série, não foi nada mal. Apesar dos dois primeiros casos terem sido um pouco previsíveis, os seguintes já foram mais cheios de reviravoltas e maluquices, com menção especial ao quarto caso em que tem até um papagaio servindo de testemunha aheauehae. O meu preferido definitivamente foi o último caso, Rise from the Ashes, principalmente pelas mecânicas novas de investigação e a alta complexidade, mas o Turnabout Goodbyes também foi muito bom e complexo.

Em questão de lógica, achei o jogo bem fácil. O sistema de penalidades é bem simples: 5 erros num mesmo julgamento e era game over. O único caso que realmente me deu problema foi o Rise from the Ashes.

Phoenix Wright: Ace Attorney - Justice for All

Esse jogo parecia meio fraco pelo primeiro caso, mas os casos seguintes foram bem melhores. O melhor no entanto foi definitivamente o último, "Farewell, my Turnabout", em que teve até um assassino de aluguel testemunhando em pleno tribunal por meio de um rádio aheuaehaeeah

Em questão de lógica, ele foi bem mais difícil que o primeiro, as contradições tavam mais difíceis de encontrar, além de terem deixado o sistema de penalidades mais complexo, que agora funcionava que nem uma barra de HP e dependendo do momento do julgamento, tu perdia mais ou menos dela.

Also, a filha do von Karma é definitivamente a melhor promotora, eu não conseguia parar de rir toda vez que ela saia chicoteando até o juiz em pleno julgamento.

Phoenix Wright: Ace Attorney - Trials and Tribulations

Esse jogo teve dois casos que não me chamaram tanto a atenção por mais que tenham sido bons (o segundo e o terceiro), mas o primeiro, quarto e último casos foram estupendos. Foi interessante ter podido jogar com a Mia em dois desses, e mais tarde, no último caso, ver tudo se conectando, bem como a conclusão do segundo caso do Justice for All.

Achei ele até mais difícil que o Justice for All em questão de lógica, teve muitas contradições que eu custei a encontrar, até mais que o segundo. E por fim, Godot é husbando.

No geral, gostei de todos os jogos e desse estilo maluco da série de misturar investigação criminal com defesa em tribunal cheia de maluquices, e pretendo jogar os outros dois da série principal (Apollo Justice e Dual Destinies), bem como Spirit of Justice quando sair em inglês. Talvez pegue até os spin-offs do Edgeworth eventualmente.
Responder
 #252
Apollo Justice: Ace Attorney

Esse jogo teve minhas investigações favoritas da série. Eu adorei o sistema do Rise from the Ashes de examinar evidências com a touch screen pra encontrar impressões digitais e ver ele aparecendo aqui de novo foi ótimo. Só foi meio difícil de se acostumar com a engine de texto que não me deixava skippar pro fim da linha, diferente da do Trilogy.

Sobre os casos, foram bastante bem-feitos e bem complexos no geral (até o primeiro caso me pareceu mais complexo que o de costume da série), e o Turnabout Succession em especial foi genial, conectando o passado do Phoenix, o primeiro caso do jogo e uma personagem que havia aparecido anteriormente em outro caso. Além de que foi ótimo o antagonista, que era um advogado, se ferrar por causa de uma mudança no sistema de julgamentos pra implementar um júri de forma a evitar falhas aheuaehae

O que eu achei mais fraco em relação aos outros jogos, no entanto, foi a soundtrack. Teve um julgamento que voltaram às músicas do primeiro jogo e isso foi legal mas das outras eu só gostei mesmo da Telling the Truth.

Bem, agora falta o Dual Destinies da série principal.
Responder
 #253
Phoenix Wright: Ace Attorney - Dual Destinies

Honestamente, achei um pouquinho mais fraco que os outros jogos, mas não foi ruim.

A introdução da Athena foi interessante por ter adicionado aquele esquema de psicologia pra poder ver quando as testemunhas estavam mentindo, mas acho que poderia ter sido melhor organizado. Isso acabou tomando muito mais do jogo que os antigos esquemas com a Magatama e o bracelete do Apollo, enquanto a própria Athena quase não foi jogável como advogada propriamente dita (só no terceiro caso, nos outros ela no máximo ajuda). Espero que no próximo jogo isso seja mais equilibrado.

Quanto aos casos, o primeiro é o típico caso introdutório, o segundo foi bem fraquinho, o terceiro foi mais interessante, e os dois últimos são meio difíceis de se separar porque se interligam, mas com certeza foram os melhores do jogo como de costume.

O novo detetive, Fulbright, é provavelmente o mais carismático da série, já o Blackquill não é um promotor ruim, mas comparado à Franziska, Edgeworth, Godot e Klavier, achei menos interessante, mesmo com a nova catchphrase (SILENCE!). Mas obviamente é melhor que Payne e irmãos aheuaehea.

Agora falta os spin-offs do Edgeworth e o crossover com Professor Layton, mas não sei se os jogarei a seguir.
Responder
 #254
http://kotaku.com/after-nine-years-work-...1785061831
9 anos! Quase superaram o @Esteves...
Responder
 #255
(11/08/2016, 02:19)Ketolow Escreveu: http://kotaku.com/after-nine-years-work-...1785061831
9 anos! Quase superaram o @Esteves...
Nossa, eu tinha ouvido falar sobre esse projeto há muito muito tempo atrás e depois nunca mais ouvido falar de novo. Nem lembrava, muito menos imaginaria que ainda tava ativo.

Batuta ver projetos sendo completados, porque isso é tão raro.
Responder
Páginas (20): « Anterior 1 ... 15 16 17 18 19 20 Próximo »

Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes