My Next Life as a Villainess: All Routes Lead to Doom!


Tópico em 'Temporada Finalizada' criado por Best em 18/04/2020, 03:53.
Avaliação do Tópico:
  • 0 Votos - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
0 votos
5 respostas neste tópico
 #1
[Imagem: xHX7TF0.png]

Ficha técnica:

Título: My Next Life as a Villainess: All Routes Lead to Doom!
Título alternativo: Otome Game no Hametsu Flag shika Nai Akuyaku Reijou ni Tensei shiteshimatta... | Japonês: 乙女ゲームの破滅フラグしかない悪役令嬢に転生してしまった…
Formato: TV
Gênero: Comedy, Drama, Romance, Fantasy, School (Segundo MAL)
Estúdio: Silver link.
Data de estréia: 05/Abr/2020
Número de episódios: 12
Maiores informações: [My Anime List]

Sinopse MAL:  Eight-year-old Katarina Claes is the only daughter of a duke, living her life peacefully and without incident until she hits her head on a rock... and then remembers that she is not actually the duke's daughter. She used to be an otaku who died on her way to school after spending the previous night playing Fortune Lover, her favorite otome game. After noticing that her current surroundings seem oddly familiar, she is shocked to discover that she has been reincarnated into the world of Fortune Lover as the villainess.

The villainess in the game usually winds up dead or exiled, so Katarina decides to use her knowledge of the game and its routes to avoid any bad situations. But is it even possible for the villainess to reach a good ending?
Responder
 #2
Tá todo mundo de saco cheio de isekai. Ninguém aguenta mais um show que começa com um adolescente sendo atropelado por um caminhão ou acordando num campo gramado com os braços abertos.
Mas mesmo assim, se você olhar os últimos lançamentos, verá que a taxa de isekai por metro quadrado está igual o desmatamento da amazônia: crescendo descontroladamente. Como? E principalmente... por quê?

Pensando no histórico do "gênero", vemos que desde o seu boom alguns anos atrás, a fórmula funcionou e fui divertida pelas primeiras quinhentas repetições. Depois disso, passou a ser mais do mesmo. Hoje em dia, temos um isekai tradicional que estoura por ano, e olhe lá. São casos de séries que já possuem uma base forte, seja de temporadas anteriores ou de leitores da obra original. Re:zero e The Rising of The Shield Hero são alguns exemplos recentes.

A partir disso, podemos ter dois caminhos: ou continuamos martelando o prego que já tá mais do que enfiado na parede, e fazemos uma dúzia de shows que são tão medíocres que acabam sendo esquecidos em questão de semanas (Lembram de "Isekai Cheat Magician" ou de "The Master of Ragnarok & Blesser of Einherjar"? Nem eu). Ou... tiramos sarro do gênero, tentando fazer com que a sua premissa seja tão absurda que se torne difícil de esquecer.

Paródias sempre existem, mesmo quando algo ainda está em seu ápice (como KonoSuba, por exemplo), mas o nível começa a cair de uma forma absurda, assim que a saturação começa a ser atingida. Que tal um isekai, mas se você tivesse um celular? E se você fosse para um isekai, mas fosse reencarnado como um slime? Ou pior, ir parar em um isekai com a sua mãe?

Atingimos o ápice do isekai quando percebemos que ele se dá melhor quando não se leva a sério, e que deveríamos usar a sua saturação como mais uma forma de humor. Afinal, a repetição é o primeiro e o segundo princípio da comédia, não é?

Em "My Next Life as a Villainess: All Routes Leads to Doom!", temos mais um caso - brilhante, aliás - de premissa absurda usada para o humor. Shows onde a personagem principal se vê num mundo de video-game são um dos isekais mais clássicos que temos (podendo citar o nosso queridinho Sword Art Online). Dar uma reviravolta no básico ao dar o papel de vilã para a protagonista não seria o bastante, afinal, shows como Overlord já fizeram isso antes. Precisávamos ir além, precisávamos enfiar ainda mais o pé na jaca.

Apesar do forte uso do tema para gerar humor, o show ainda tem qualidades que o seguram de pé por conta própria, como o carisma acidental da protagonista Catarina, ou seu charmoso intelecto negativo. Você se diverte e dá risadas por conta da premissa absurda de um isekai charlatão, e também por outros motivos. Se isso não é o ideal para uma comédia, eu não sei o que é.

E esse é justamente o ponto que eu queria tocar: O novo padrão de isekais deveria ser esse. Deveríamos fazer todo isekai ser mil vezes mais absurdo do que o anterior. Deveríamos forçar a barra de uma forma que ela já se transforme em uma mola. É a única forma de aguentar a repetição absurda que o gênero impôs sobre o universo de animês. Até uma hora que vão resolver parar, assim do nada. Lembra dos Haréns Escolares Mágicos Genéricos, que plagueavam todas as temporadas da primeira metade dos anos 2010? Pois é.

Mas, comentando um pouco mais sobre a patrona dessa postagem, acho que "My Next Life as a Villainess" merece alguns tapinhas nas costas pela sua execução. Não é fácil fazer uma comédia que não se leva a sério e conseguir ter uma história coesa e ter suas personagens plausíveis e realistas (dentro do limite permitido pelo absurdo, é claro).
Mesmo a protagonista, que carrega o fardo cômico inteiro nas costas, e que possui como um de seus principais atributos a sua falta de noção, consegue ser mostrada como tendo objetivos e aspirações claras e que refletem no desenvolvimento da história... Mesmo que isso seja feito através de um conselho de mini-Catarinas mentais.

O absurdo se une ao bobo e conseguimos um show que me fez rir horrores nos oito episódios já disponíveis, e me deixou ansioso por mais. Nesse mini primeiras impressões, escondido no fundo de uma resenha de buteco, gostaria de dizer que "My Next Life as a Villainess" receberia um 8/10 se eu tivesse começado a assisti-lo um mês atrás. E recomendo que você não faça como eu, e assista esse show o quanto antes.
Responder
 #3
"A COISA FICA DOIDA NA FESTA DO PIJAMA" 9

puta merda até o TÍTULO do episódio me faz rir, meu deus

Esse episódio foi focado na MAID (!!!!) eu eu fiquei surpreso por diversos motivos.
Primeiro que porra, foi inesperado eles darem um episódio inteiro pra ela. Ainda mais ela que tem um design tão "background character". Jurava que ela nunca teria relevância nenhuma. Fui pego desprevenido.
Também fiquei surpreso pq a história dela foi surpreendentemente forte. Porra, ela é uma filha bastarda que sofreu um acidente num incêndio e foi jogada fora pelo pai? caralho meu.
Mas ainda assim, fizeram um desenvolvimento que mostrou, dnv, que a Catarina MUDA a vida das pessoas, pra melhor.

Inclusive, esse é praticamente o tema "secundário" (o primaria sendo o humor) do show, né? Quando a gente compara todos os personagens atualmente com as suas metades do jogo... Todo mundo ficou muito mais feliz e mais "bonzinho". E as mudanças foram todas causadas pela Catarina.

Inclusive a própria Catarina, né? Ela, de longe, é a que mais mudou.
MAS
parece que vai ter alguma treta envolvida nisso tudo... Com aquela história das "sombras" aparecendo atrás dela no episódio do teste, e agora essa preview do próximo episódio...
Estou com medo das minhas crianças burras se machucarem Triste
Responder
 #4
AS MINHAS CRIANÇAS BURRAS ESTÃO EM PERIGO 10

"oh não a minha magia negra não está funcionando... Hora de usar a minha arma secreta: CLOROFÓRMIO"

Rapaz, confesso que estou parcialmente surpreso.
Digo parcialmente pq estava meio que na cara que o Presidente estava envolvido em alguma abobrinha, né. Eu só não imaginei que seria ALGO ASSIM.

A parte do Geordo "guardar segredo" sobre Dark Magic faz sentido e tal, com ele sendo realeza e tudo mais, mas... A Catarina SIMPLESMENTE ESQUECER DE UMA ROTA SECRETA ONDE TODOS MORREM é um pouco forçação de barra... Mesmo pra Bakarina...

Mas esse episódio, mesmo tendo um menor foco em comédia (apesar de ter tido, euri horrores na "defesa" da Catarina), foi muito interessante por mostrar, de forma sutíl, diversas NUANCES de várias personagens. Sem contar o óbvio presidente, a própria Catarina, O Geordo e a Maria tiveram alguns pontos legais levantados.

Enfim, mesmo com a treta toda acontecendo e me deixando preocupado sobre o futuro dos meus bebês burros... A série continua sensacional e estou animadíssimo.
Responder
 #5
ACCHAAAAAAAAAAAAAAAN 11

eu não estou chorando eu não estou chorando eu não estou chorando
rapaz, confesso que SENTI.

A Catarina dormindo e "presa" no "mundo real" foi pesado, man. Nossa que bad que deu.
Ainda mais ali no final, depois de mostrar TODAS as personagens completamente depressivas mandando um "rapaz eu n posso viver sem ela não", daí volta pra ela e a Acchan na sala de aula no crepúsculo e eu QUEBREI COMPLETAMENTE ali pelo amor de deuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuussssssssss pq fas isso comigo meu deus do céu

eu só fiquei meio confuso com a IMPLICAÇÃO toda disso. Tipo, já era algo estava na minha cabeça esse tempo todo mas nunca tive motivos pra acreditar, mas todo esse CONTROLE que a Acchan teve da situação, em ambos os lados da história... Meio que deu a impressão que ela foi a "culpada" disso tudo? Não num sentido de "vilã" mas num sentido de... Ela acabou reencarnando na Sophia pq ela SE MATOU ou algo assim?? Pq só ela teria esse tipo de poder?
Rapaz.

Aliás, e o Geordo que ROUBOU UM BEIJO da Catarina ali? estupro isso!!!!!!

Tivemos, por incrível que pareça, um VISLUMBRE de oq se trata a MOTIVAÇÃO do Sirius.

E ALÉM DISSO TUDO, ainda conseguiram enfiar algumas piadas. Eu morri de rir qdo ela pegou um FODENDO PICLES pra comer no caminho da escola puta merda

Isso tudo, meus amigos, em um único episódio.

Que show, meus amigos.
Responder
 #6
Minha outra vida como uma vilã: todas as rotas me levarão à destruição 12

OBRIGADO, CATARINA CLAES
VOCÊ TAMBÉM ME SALVOU

O anime fechou de uma forma perfeitamente maravilhosa. Meu amigos, que coisa boa!
Eu adorei cada segundo do show, principalmente por causa da BURRICE da Catarina. Ela é tão carismática que devia ser ilegal. Puta merda.

Li várias coisas sobre a obra original e entendi o motivo dele ter conseguido fechar naturalmente em uma temporada só. Vai vir mais por aí, mas será o clássico "não precisava de mais nada". A primeira temporada é tudo que precisava existir e fico feliz de ter, depois de tantos ANOS, uma série fechada.

sério, pqp, parece que TUDO que eu assisto atualmente é "read the mango" no final. Fazem pelo menos ANOS que eu não vejo um final FINAL MESMO.

Não tenho muito oq comentar pois o show é basicamente uma coisa só: Bakarina. Não tem mais oq falar. O simples fato dela EXISTIR já é engraçado e isso basta pra carregar o show. E mesmo assim, o show ainda tem mais coisas por cima.

Vou parar de falar abobrinha e simplesmente dizer: Obrigado por mesalvar, Catarina Claes. 9/10.
Responder

Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes